Logo da AAO(30 anos)

Artigos e Notícias

Agrotóxicos, transgênicos e outros contaminantes - Parte 1
17/08/2011 21:41

Há pelo menos 20 anos que venho afirmando, bem como outros profissionais de saúde que às intoxicações por agrotóxicos e afins ( agudas e crônicas) no Brasil representarem um grave problema de saúde pública, ainda não adequadamente documentado, determinando conseqüência que não são devidamente enfrentadas.

Os principais sistemas de informação em saúde existente para o registro de intoxicações por agrotóxicos e afins e o perfil epidemiológico destes agravos que poderia apontar para a definição de diretrizes para o fortalecimento da vigilância epidemiológica não recebem por parte do setor responsável (Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde) a devida atenção.

Em 2002, defendi minha dissertação de mestrado na Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, onde através da realização de um estudo descritivo sobre a situação dos principais sistemas de informações para o registro de intoxicações por agrotóxicos e afins, o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas da Fundação Oswaldo Cruz - SINITOX, avaliei os casos registrados no período de 1995 a 2000; o mesmo fazendo para o Sistema Nacional de Agravos de Notificação- SINAN da Fundação Nacional de Saúde, avaliando os casos registrados de 1996 a 2000.

Os estudos demonstraram que para o período compreendido entre 1995 e 2000, o SINITOX registrou um total de 94.983 casos de intoxicações por agrotóxicos e afins, correspondendo a 22,81 % do total de intoxicações registradas no período. Deste total, 30.278 (31,88%) intoxicações foram causadas por agrotóxicos de uso agrícola, 35.144 (37%) por domissanitários, 15.570 (16,39%) por agrotóxicos de uso doméstico e 13.991 (14,73%) por raticidas.

Quanto aos óbitos, o total foi de 1268 mortes causadas por agrotóxicos e afins, correspondendo a 51,73% do total por todas as causas no período em estudo. O agrotóxico de uso agrícola destaca-se como o agente mais incriminado, com 904 óbitos, o que corresponde a 36,88% do total de óbitos por todas as causas registradas pelo SINITOX no período. Do total de intoxicações por agrotóxicos e afins, 54,5% casos ocorreram entre indivíduos do sexo masculino. As causas determinantes das intoxicações por agrotóxicos e afins foram em primeiro lugar os acidentes, seguidos dos suicídios e causas profissionais.

Por: Alberto Benatto

Categoria(s): Agrotóxicos, Artigos