Logo da AAO(30 anos)

Artigos e Notícias

Brasil pode cumprir metas da ONU até 2030 com agricultura orgânica nas políticas públicas
03/06/2016 17:08
Brasil pode cumprir metas da ONU até 2030 com agricultura orgânica nas políticas públicas

Maior feira de produtos orgânicos da América Latina, a Bio Brazil Fair recebe na próxima quarta-feira, 8 de junho, às 9h, a coletiva de imprensa “Como a Agricultura Orgânica ajudará o Brasil a cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis da ONU?”

A coletiva de imprensa “Como a Agricultura Orgânica ajudará o Brasil a cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU?” é uma iniciativa da AAO - Associação de Agricultura Orgânica e do Instituto Kairós, em parceria com a Bio Brazil Fair – 12ª Feira Internacional de Produtos Orgânicos e Agroecologia. 

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são uma agenda mundial com 17 objetivos e 169 metas, definidos a partir dos resultados dos Objetivos do Milênio (ODM) estabelecidos no ano 2000, e têm início em 2013, com o Brasil participando do processo de negociação mundial (*).  

Representantes de iniciativas da sociedade civil que atuam em prol dos ODS, de agricultores familiares, do setor público e área acadêmica apresentam dados e informações apontando como as políticas públicas de apoio ao desenvolvimento da agricultura orgânica podem atender várias metas dos novos objetivos da ONU – Organização das Nações Unidas, para uma agenda mundial de sustentabilidade até 2030. A agroecologia destaca-se entre os objetivos como caminho para “acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável".

Os ODS também possuem um papel mobilizador ao se colocarem como agenda positiva e de oportunidades, favorecendo uma maior articulação entre os diferentes setores da sociedade, além de permitir a sociedade civil e governos trabalharem conjuntamente na busca por políticas públicas para o desenvolvimento sustentável.

Agricultura orgânica como política pública

Apesar do crescimento médio de 30% a 40% ao ano do mercado de produtos orgânicos no Brasil e no mundo e no Brasil, há um grande potencial de crescimento da agricultura orgânica brasileira, principalmente por meio de políticas de apoio às compras públicas que possibilitam o estimulo à transição agroecológica. Atualmente há cerca de 14 mil agricultores orgânicos cadastrados no MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), o que significa pouco frente à dimensão da atividade agrícola no país.

Os impactos positivos da atividade vão da fixação do homem no campo e manutenção das comunidades rurais, preservação dos recursos naturais, produtividade do solo e conservação e produção de água, além de alimentos de maior valor nutritivo, mais saborosos, sem contaminação por agroquímicos, entre tantos outros.

“Cada vez mais há uma compreensão do tema pela população e a agroecologia já está na pauta da sociedade, desmistificando a ideia de que orgânicos são produtos inacessíveis e caros. Os agricultores orgânicos, em geral pequenos produtores familiares, vêm mostrando ser possível produzir em escala, com modelos que trabalham a favor da natureza e do desenvolvimento sustentável”, diz Maluh Barciotte, presidente da AAO.

A programação da coletiva traz uma visão dos impactos socioambientais da agricultura convencional, a necessária consolidação de políticas de subsídios para a agricultura orgânica se tornar modelo efetivo de agricultura sustentável, assim como o poder indutor das compras públicas para o maior desenvolvimento do setor.

Neste contexto, o coordenador de agroecologia do MAPA, Rogério Dias, mostrará como Programas de Alimentação Escolar Orgânica, a exemplo da lei da cidade de São Paulo, reconhecida internacionalmente e em consonância com os ODS, são políticas fundamentais no estímulo à cadeia produtiva. No caso da lei paulista (16.140/2015), deverá ser cumprida a meta de que 2 milhões de refeições servidas ao dia no município sejam 100% de alimentos orgânicos em 11 anos. O que reforça a possibilidade do plantio em larga escala associado à meta da alimentação saudável.

 

COLETIVA DE IMPRENSA - Como a Agricultura Orgânica ajudará o Brasil a cumprir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU até 2030?

Dia 8 de junho

Horário: 9h às 12h

Local:  prédio da Bienal – Parque Ibirapuera na Feira Bio Brazil Fair em São Paulo - 2o anda​r

 

PROGRAMAÇÃO DA COLETIVA 

 

9h00 ​às 9h20

Enrique Ortega

Pesquisador do Laboratório de Engenharia Ecológica e Informática Aplicada da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp

Tema: “Modelo Insustentável:  as externalidades não computadas da agricultura convencional e seus impactos socioambientais

 

9h20 às 9h40

​Representante da Estratégia ODS (coalizão de ONGs em prol dos ODS)

TEMA: “Como a prática e as políticas públicas de apoio à agroecologia poderão ajudar o Brasil cumprir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentáveis até 2030”

 

9h40 às 10h00

Marcelo Passos

Representante da Rede Ecovida

TEMA: “A experiência da Rede Ecovida que mostra a necessária inversão da política de recursos para subsídios X recursos para financiamento para a ampliação da agricultura orgânica”

 

10h00 ​às 10h30

Rogério Dias

Coordenador de Agroecologia do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento)

TEMA: “O poder indutor das compras públicas Impactos do cumprimento das metas de alimentação escolar 100% orgânica até 2026 no município de São Paulo

 

10h30 ​às 12h00 -  Debate e Perguntas 

 

(*) Os ODS ampliaram as metas dos ODM, e preveem ações mundiais nas áreas de erradicação da pobreza, segurança alimentar, agricultura, saúde, educação, igualdade de gênero, redução das desigualdades, energia, água e saneamento, padrões sustentáveis de produção e de consumo, mudança do clima, cidades sustentáveis, proteção e uso sustentável dos oceanos e dos ecossistemas terrestres, crescimento econômico inclusivo, infraestrutura, industrialização, entre outros.

A agroecologia e a agricultura orgânica estão especialmente ligadas à meta de “garantir sistemas sustentáveis de produção de alimentos e implementar práticas agrícolas resilientes, que aumentem a produtividade e a produção, que ajudem a manter os ecossistemas, que fortaleçam a capacidade de adaptação às alterações climáticas, às condições meteorológicas extremas, secas, inundações e outros desastres, e que melhorem progressivamente a qualidade da terra e do solo". 

Categoria(s): Agricultura Orgânica