Logo da AAO(30 anos)

Artigos e Notícias

Politicas Publicas: Brasil Sem Miséria distribui sementes do MPA-SC na Paraíba
19/03/2013 12:00
Politicas Publicas: Brasil Sem Miséria distribui sementes do MPA-SC na Paraíba

A entrega aconteceu no dia 25/02, no centro da cidade de Areia. As sementes foram produzidas no estado de Santa Catarina. Francisca Paula da Conceição Gonçalves é componente do MPA-PB e, ao dialogar com os ouvintes do Programa Universo Rural desta de 26/02, informou que a semente veio para atender a agricultores e entidades da base do movimento em nove municípios, dizendo que o MPA chega com a entrega de sementes num momento em que não estão sendo entregues sementes pelos governos federal e estadual.

Eulália dos Santos Oliveira, coordenadora nacional do MPA, informou ao Universo Rural que, ao todo, o MPA Sul vendeu para o Governo Federal 420 toneladas de sementes, que receberam o tratamento com inseticidas num sistema convencional: “Nós costumamos brincar: proteger sementes com cinza, tipo 10 quilos, dez garrafas PET de dois litros, beleza, agora 421 toneladas pra gente virar à mão quilo por quilo infelizmente não dá, e o milho tem uma facilidade muito grande de pegar o pulgão, o feijão não, o feijão se fosse pra consumir até que daria porque ele não tem nenhum tipo de agrotóxico, nenhum tipo de conservante, mas o milho infelizmente é tratado e ele não serve para consumir, só para o plantio”.

Euzébio Cavalcante, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Remígio, recebeu 1.000 kg de sementes de milho e feijão com preocupação. Sem desmerecer a iniciativa do MPA, Euzébio lamentou que as sementes sejam tratadas com agrotóxicos, o que contraria o trabalho feito pelo sindicato nas dinâmicas agroecológicas em parceria com as entidades do Polo Sindical da Borborema. Euzébio criticou também o fato de as sementes serem originárias da região Sul do país e, portanto, não adaptada às condições locais de cultivo.

Euzébio levou o produto para colocar em discussão no Sindicato, para que os agricultores decidam se irão ou não plantá-las.

Com efeito, cabe perguntar: a entrada em massa de sementes produzidas em outras regiões, ainda que varietais, não pode desarticular os trabalhos locais com sementes da paixão e seus bancos familiares e comunitários?


Fonte: Boletim 620 da Campanha por um Brasil Livre de Transgênicos, com informações de Stúdio Rural / Programa Domingo Rural, 02/03/2013.
Categoria(s): Agricultura Orgânica