Logo da AAO(30 anos)

Artigos e Notícias

Feiras orgânicas de SP: comida saudável e lixo zero
07/04/2016 11:43
Feiras orgânicas de SP: comida saudável e lixo zero
Marcio Stanziani / Foto: Chico Castro

Alimentar-se bem e cuidar do meio ambiente é uma excelente combinação. Quando comemos um produto orgânico, além de uma alimentação saudável, também estamos consumindo algo produzido por uma estrutura preocupada em não gerar resíduos para a cidade.

Em São Paulo já são nove nove feiras orgânicas que fornecem alimentos — frutas, legumes e verduras — cultivados sem produtos químicos ou hormônios. E todas elas têm a preocupação redobrada com o reaproveitamento de tudo o que é descartado. Os produtos que não são vendidos são recolhidos pelos próprios comerciantes e compostados para adubar as plantações.

“Nas feiras, cada produtor tem caixas em que recolhe, no fim do dia, o que restou. Levam os alimentos para casa e transformam em adubo”, explica o secretário executivo da Associação de Agricultura Orgânica (AAO) de São Paulo, Marcio Stanziani. A ideia é incentivar o reaproveitamento de tudo que for possível. “Neste momento, já estamos próximo do lixo zero”, comemora.

Além da preocupação com a compostagem, outros cuidados são tomados pelos produtores nas feiras orgânicas a fim de evitar a poluição e estimular o consumo consciente. Desde 2011, por exemplo, não são fornecidas (nem vendidas) sacolas plásticas para carregar as compras nas feiras orgânicas.

Há, ainda, a iniciativa de realizar oficinas sobre aproveitamento integral dos alimentos. Nesses encontros, os consumidores aprendem receitas e técnicas para aproveitar cascas e folhas de verdura, frutas e legumes comumente jogadas fora. “A primeira opção é aproveitar tudo”, diz Stanziani.

A ideia de incentivar o reaproveitamento dos resíduos em adubagem também já está chegando às demais feiras livres de São Paulo. No ano passado a cidade criou um sistema de compostagem para evitar que os resíduos orgânicos sejam descartados em aterros sanitários. Um pátio piloto, na Lapa, já transforma em adubo de 10 a 20% do material recolhido nas feiras da região. Até o final deste ano, o objetivo é criar outros pátios como esse.